Anamara Osório participa da bancada do Jornal da Cultura

Ela falou sobre Lava Jato e direitos humanos

A procuradora da República, integrante da Lava Jato em São Paulo e diretora da ANPR, Anamara Osório, participou da edição de ontem (19) do Jornal da Cultura. Entre os assuntos que foram notícia, ela comentou sobre a escolha do ex-juiz Federal Sérgio Moro para o Ministério da Justiça, a privatização da Petrobras, direitos humanos e combate à corrupção.

Anamara ressaltou a qualidade técnica de Moro para assumir o comando da pasta da Justiça. Ela destacou a atuação dele enquanto juiz da Lava Jato em Curitiba e como uma “pessoa que pensa macro, entende a agenda do Judiciário e deverá fazer um excelente trabalho”. Ela acredita que Moro levará adiante a pauta de combate ao crime, principalmente o organizado.

No âmbito dos direitos humanos, ela defendeu que “existem valores que estão consagrados em nosso país que não podem ser deixados de lado”. Anamara destacou que essa é uma luta prevista na agenda internacional e consolidada no Estado brasileiro. Em uma análise rápida sobre a política de cotas raciais, ela reforçou a atuação do MPF em prol da legalidade dos processos. “É importante porque parece que nunca existe uma satisfação completa enquanto não conseguirmos resgatar todos esses anos.”

O jornal apresentou uma matéria sobre a campanha do MPF “Lei do Minuto Seguinte”. A iniciativa é composta por vídeos, peças gráficas e ações de comunicação digital cujo teor baseia-se na premissa da lei: a palavra da vítima é o suficiente. Cabe a todos os hospitais integrantes do SUS prestar atendimento humanizado e imediato às pessoas que os procurem relatando ter sido alvo de qualquer ato sexual não consentido, independentemente da apresentação de boletim de ocorrência ou de outros documentos que comprovem o abuso. Segundo a diretora da ANPR, o atendimento imediato deve ser garantido às vítimas para que haja tempo hábil na prevenção de doenças e gravidez.

Corrupção

O combate à corrupção foi o último tema em análise e sob a perspectiva da criação da Frente Parlamentar Contra a Corrupção. A integrante da Lava Jato ponderou que essa não é mais uma problemática entre direita e esquerda, mas da sociedade. “A Lava Jato foi importante pois trouxe transparência e permitiu que a sociedade conhecesse para onde estavam indo os recursos públicos”, avaliou.

A íntegra do jornal está disponível no YouTube.