Inscrições para o Prêmio Innovare estão abertas até 25 de abril

O lançamento da premiação aconteceu nesta quinta-feira (21), no Superior Tribunal de Justiça

A 16ª Edição do Prêmio Innovare foi lançada nesta quinta-feira (21), no Superior Tribunal de Justiça (STJ). A premiação, idealização do Instituto Innovare, tem o objetivo de identificar e divulgar iniciativas para o aprimoramento do sistema de Justiça. Nesta edição, o Innovare terá como categoria destaque "Promoção e Defesa dos Direitos Humanos". O prêmio contempla iniciativas nas categorias Tribunal, Juiz, Ministério Público, Defensoria Pública, Advocacia e Justiça e Cidadania. As inscrições poderão ser feitas até 25 de abril no site do prêmio.

A premiação é uma iniciativa conjunta do Instituto Innovare, da Secretaria Nacional de Cidadania e Justiça do Ministério da Justiça, da Associação de Magistrados Brasileiros (AMB), da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), da Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep), da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), e da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), com o apoio do Grupo Globo.

De acordo com o presidente da ANPR, José Robalinho Cavalcanti, o prêmio é uma experiência estimulante para o país, incentivando a criatividade para as boas práticas de quem pensa em serviços de Justiça. "Ao escolher os direitos humanos como tema, o Instituto foi particularmente feliz porque é um tema que precisa de muito debate e esclarecimentos para a população, para afastar preconceitos e mostrar que é obrigação do país cuidar das minorias, índios e dos direitos humanos de forma geral."

Para  o presidente do STF, Dias Toffoli, a categoria especial de direitos humanos contribui com o exercício da cidadania. "Apesar de termos evoluído muito nessa seara, problemas como as profundas desigualdades sociais e regionais, a pobreza, a marginalização, a infância e juventude em situação de risco e a discriminação de gênero e raça, entre outros, apresentam-se ainda como grandes óbices à concretização da cidadania", afirmou.

Além de Robalinho e Toffoli, participaram do evento o presidente do STJ, João Otávio de Noronha; a procuradora-geral da República, Raquel Dodge; o ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), André Mendonça; e o ex-ministro do STF e presidente do Conselho Superior do Innovare, Carlos Ayres Britto.